No 7280 Ano 30   © 2017   2a-feira 24abr2017
nanoJORNAL para Tablets & smartphones

Reformas: sem espaço
para ceder mais.

Em encontro de três horas, ontem, no Palácio do Jaburu, o presidente Michel Temer esteve com ministros e líderes da base aliada na Câmara. Ficou claro que não serão aceitas mais mudanças nas reformas trabalhista e previdenciária, segundo o líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Temer pediu a todos mobilização pelo texto já definido. Temer reúne-se hoje com os ministros com influência na Casa e pedirá para que entrem nas conversas com deputados. A reforma trabalhista deve ser votada amanhã, na comissão, e ir a plenário no dia seguinte.

O BRASIL E O MUNDO HOJE
Emmanuel Macron e Marine Le Pen: 2º turno no dia 7.

fotos Arquivo





Abuso de autoridade: votação nesta 4a-feira. Deve ir a votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, nesta 4a-feira (26abr17), a proposta que tipifica crimes por abuso de autoridade. Na reunião será votado substitutivo do senador Roberto Requião (PMDB-PR) à proposta original do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). A discussão ocorre em meio a disputa entre parlamentares e integrantes do Ministério Público e do Judiciário. A proposta abrange crimes de abuso por agentes públicos, federais, estaduais, distritais e municipais.

Transição mais dura para servidores Na reunião de ontem, o governo decidiu manter a regra de transição mais dura para os servidores públicos na reforma da Previdência. Pelo relatório de Arthur Maia, eles só terão direito de se aposentarem com o benefício igual ao maior salário da ativa e direito aos reajustes dos funcionários da ativa se forem direto para a idade mínima final da reforma, 65 anos para homens e 62 para mulheres. "Uma possível mudança seria para atender os mais ricos, aqueles com os maiores benefícios, então não vamos mudar", disse o líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE).

Índices / Mercado

MOEDAS
            Compra  Venda
Dólar
Comercial   3,1562  3,1568
PTax        3,1447  3,1453

OURO
R$/grama       BM&F 128,30

BOLSAS
S Paulo  (Bovespa)  +0,56%
S Paulo  (IBx)      +0,48%
S Paulo  (IBx-50)   +0,49%

Poupança antiga    0,6031%
Poupança nova      0,6031%



Semana agitada no Brasil e no exterior Começou ontem a semana financeira agitada - com a eleição francesa [ver INTER] e as discussões sobre as reformas trabalhista e previdenciária [ver ECONOMIA]. Na agenda econômica brasileira, o destaque fica para os indicadores fiscais de março. Na 5a-feira, será revelado o Resultado Primário do Governo Central, estimado em R$ 8 bilhões. E nesta semana intensifica-se a temporada de resultados, com Vale, Bradesco e Santander à frente. Para 4a-feira, o presidente americano Donald Trump promete um "grande anúncio" de reforma tributária.

Pela agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável Em encontro ontem com o presidente Michel Temer, o secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou mensagem aos prefeitos brasileiros. Guterres cobra engajamento na agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. O plano prevê 17 metas para enfrentar de pobreza a mudanças climáticas. Um vídeo com Guterres será exibido amanhã, em Brasília, na abertura do 4º Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS).

França: Macron e Marine Le Pen no 2º turno. Emmanuel Macron, candidato centrista, venceu o 1º turno das eleições presidenciais francesas, com 23,7% dos votos, indicam as primeiras projeções. Mas sem obter a maioria, vai disputar o 2º turno (no próximo dia 7) com a segunda colocada, Marine Le pen, da extrema-direita, que alcançou quase 22% dos votos. O direitista François Fillon e o candidato da esquerda, Jean-Luc Mélenchon receberam pouco mais de 19%. E o Partido Socialista teve péssimo resultado: Benoit Hamon ficou pouco acima dos 6%. Ele reconheceu a derrota e pediu aos eleitores que votem em Macron no 2º turno. O mesmo fez François Fillon, o candidato de centro-direita.

E MAIS:
Leitura // Amor sob todas as formas.
   
Esta coletânea traz poemas de Charles Bukowski sobre o amor, este inescapável sentimento que, sim, fulminou muitas vezes o coração empedernido do Velho Safado. Homem de emoções intensas (certa vez chamado por um editor de "um louco passional"), o poeta se debruçou sobre o sentimento amoroso em seu sentido amplo: paixão, sexo, desejo, amor paterno... As complicações e os prazeres do amor e suas ramificações são abordadas de forma ora crua e rude, ora terna e sensível. Temos aqui um largo espectro: vemos todo o egoísmo, o narcisismo, a ironia, o mistério e a miséria desse sentimento eminentemente humano e, em última análise, seus momentos de alegria e, quem diria?, seu poder redentor. // Sobre o Amor / Charles Bukowski (tradução, Rodrigo Breunig) / L&PM Editores, 224 páginas, R$ 35,90 / Menor preço: R$ 30,52 (www.ciadoslivros.com.br) / O frete pode encarecer uma oferta. Verifique sempre.

Jornaldodia nanoJornal para tablets & smartphones
© 2016   http://www.jornaldodia.com.br>Jornaldodia / Brasil