No 7671   Ano 32   © 2018   2a-feira 10dez2018
Caminhoneiros decidem não parar
Material escolar deve aumentar 10%
Protestos na França: catástrofe para a economia.
Trégua na guerra comercial EUA-China: prorrogável ou não?
Economia do Japão recua 2,5%

 

Caminhoneiros decidem não parar

Caminhoneiros: consenso é que este não é o melhor momento para nova greve.

foto Reprodução


Em reunião ontem, em Catalão GO, os líderes dos caminhoneiros decidiram não aderir a uma nova paralisação da categoria. Houve consenso de que não este não é o melhor momento para nova greve, em especial depois que o ministro do Supremo Luiz Fux suspendeu as multas empresas que não cumprem as tabelas de preço mínimo de fretes. Entre os motivos apontados pelos participantes da reunião para não parar agora, estão a promessa de que a Advocacia-Geral da União (AGU) entrará com recurso contra a liminar de Fux e a iminente posse do governo de Jair Bolsonaro (PSL), do qual esperam boa vontade.

 
 

Material escolar deve aumentar 10%

Pelos cálculos da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae), as famílias que quiserem economizar com a lista de material escolar devem fazer compras já. É que, neste ano, há liquidações e ainda não serão aplicados possíveis reajustes. A estimativa da Abfiae é que os itens fiquem, em média, 10% mais caros em janeiro. De acordo com a associação, a correção nos preços vai ocorrer em função de reajustes significativos no preço do papel — sem contar o aumento do dólar. Até 25% dos materiais escolares vêm de fora.

 
 

Protestos na França: catástrofe para a economia.

Em referência ao que chamou de "uma crise da nação", o ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, disse ontem que a violência nas manifestações dos 'coletes amarelos' [ver Inter] é uma "catástrofe" para a economia. "É uma catástrofe para as lojas, é uma catástrofe para nossa economia", disse Le Maire, durante visita a lojas comerciais em Paris, um dia depois das manifestações. Ele afirmou ainda estar preocupado com a democracia e com as instituições, após semanas de protestos.

 
 

Trégua na guerra comercial EUA-China: prorrogável ou não?

Robert Lighthizer, negociador dos EUA: contradição aos sinais de Donald Trump.

imagem de TV


Há uma trégua de 90 dias na guerra comercial entre EUA e China, mas essa trégua não deve ser estendida se não houver acordo antes de 01mar19. A declaração, de ontem, é do chefe negociador comercial dos EUA, Robert Lighthizer. Lighthizer, responsável pela negociação com a China, iniciada no final de semana passado na Argentina, contradisse os sinais enviados pelo presidente americano, Donald Trump, e seu assessor econômico, Larry Kudlow, sobre uma possível ampliação do prazo de 90 dias que ambas potências se deram para dialogar.

 
 

Economia do Japão recua 2,5%

Dados divulgados no Japão nesta 2a-feira apontam que o PIB do país contraiu-se a uma taxa anualizada de 2,5% no trimestre de julho a setembro — mais do que a estimativa inicial negativa de 1,2%. O valor revisado também foi mais acentuado do que as estimativas dos economistas em pesquisa, para um declínio anualizado de 1,9% em uma economia afetada por desastres naturais e uma desaceleração nas exportações.

 
CURTAS


BOLSONARO DIZ QUE DEVE REMARCAR CIRURGIA PARA IR A DAVOS

TCU ESTARÁ SOB COMANDO DE JOSÉ MUCIO A PARTIR DE TERÇA-FEIRA

Resumo dos principais jornais e sites noticiosos do Brasil e do mundo

POLÍTICA ECONOMIA NEGÓCIOS ÍNDICES GERAL MUNDO HOME